Benninghoven | Sustentabilidade na produção de asfalto

Redução da pegada de CO₂ na produção de asfalto

Trabalhar mais eficientemente com tecnologias sustentáveis e econômicas é o desafio do presente e do futuro. As soluções da Benninghoven reduzem as emissões e asseguram a continuidade das unidades de produção das usinas de asfalto.

A fim de aumentar a sustentabilidade na produção de asfalto, a Benninghoven oferece uma grande variedade de soluções inovadoras. Considerando todo o processo de construção de estradas, desde a extração dos materiais até à produção do asfalto e a construção da estrada, nossas soluções permitem às entidades exploradoras economizar até 54% de CO₂. *

As soluções inteligentes da Benninghoven incluem a reciclagem de asfalto, o armazenamento correto de mineral branco e de material reciclado, o uso de asfalto de baixa temperatura, a eletrificação de depósitos de betume e o uso de energias renováveis ou combustíveis do futuro.

*(Produção anual de 100.000 t de asfalto, taxa de adição de materiais reciclados de 60%, combustível neutro em CO₂)

Economizar de forma energeticamente eficiente e conservando recursos

Uma poupança sustentável e a redução das emissões prejudiciais ao clima são desafios atuais para combater a mudança climática. Por exemplo, o Acordo Climático de Paris celebrado em 2015 prevê a redução das emissões de gases de efeito estufa em metade, até 2030, e sua redução a zero, até 2050. O setor do asfalto, enquanto ramo industrial relativamente pequeno, também pode prestar uma contribuição importante para essa finalidade, uma vez que a produção de asfalto oferece um grande potencial de poupança no que respeita a emissões emitidas, tais como CO₂ e CT (carbono total).

Um dos instrumentos de controle que afeta as entidades exploradoras de usinas de asfalto é a tributação das emissões de CO₂ e o comércio de emissões, cujos custos continuarão aumentando em todo o mundo nos próximos anos. Quanto menos gases de efeito estufa forem emitidos pelas usinas de asfalto, mais custos podem ser economizados. A Benninghoven oferece várias soluções para apoiar as entidades exploradoras nesse aspecto.

As soluções da Benninghoven garantem uma maior eficiência energética e a redução das emissões de CO₂. Assim, é possível economizar gases de efeito estufa em até 54% de CO₂ por ano.

1: reciclagem de asfalto

A Benninghoven tem décadas de experiência na reciclagem de asfalto antigo. A sustentabilidade não é o único fator positivo da reutilização do material. O material obtido através da fresagem do asfalto antigo durante o reparo de estradas (material asfáltico fresado) também é consideravelmente mais barato do que o mineral branco da pedreira. Além disso, o asfalto antigo já contém betume, que também é reutilizado, economizando assim o ingrediente mais caro da produção de asfalto.

Para essa finalidade, a Benninghoven oferece diversos sistemas de adição de reciclagem a frio e a quente — incluindo a tecnologia de reciclagem líder, o gerador de gás quente da Benninghoven. Ele permite taxas de adição de material reciclado de até 100%, com emissões reduzidas. Uma inovação patenteada é o sistema REVOC da Benninghoven, que a Benninghoven apresentará pela primeira vez na Bauma 2022. A nova solução Retrofit complementa as usinas de asfalto existentes, que estão equipadas com uma ou mais tecnologias de reciclagem, e reduz significativamente as concentrações de carbono total no gás de escape. Assim, o REVOC também presta uma importante contribuição para a continuidade das operações.

A Benninghoven oferece uma vasta gama de sistemas de adição de reciclagem “a frio e a quente”, para a reutilização de asfalto antigo. Os sistemas de reciclagem também podem ser integrados em usinas de asfalto existentes.

2: armazenamento correto de mineral branco e de material reciclado

Para um processo de mistura energeticamente eficiente — e, portanto, para baixas emissões de CO₂, por exemplo — é essencial armazenar mineral branco e material reciclado em um local tão seco quanto possível. É importante salientar o seguinte: 1% a mais de umidade na matéria-prima corresponde a um litro a mais de óleo combustível ou um equivalente energético por tonelada de material de mistura de asfalto. Essa é outra razão pela qual o armazenamento coberto é agora exigido na Alemanha pelas “Instruções Técnicas Alemãs sobre Controle de Qualidade do Ar” (TA-Luft — Technische Anleitung zur Reinhaltung der Luft).

Coberturas para o armazenamento a seco de mineral branco e material reciclado permitem economizar grandes quantidades de combustível e, portanto, CO₂ durante os processos de secagem e aquecimento do material.

3: produção de asfaltos de baixa temperatura

Os processos de secagem e aquecimento de mineral branco e material reciclado, em particular, consomem bastante energia na produção de asfalto. Se as autoridades e as entidades exploradoras optarem por asfaltos de baixa temperatura, é possível economizar combustível e emissões. Esse é o termo usado para descrever materiais de mistura com uma temperatura final de cerca de 120 °C. Em comparação com material de mistura convencional, que normalmente tem que apresentar um valor de cerca de 160 °C, a redução é de cerca de 30%. Contudo, o potencial de poupança no que respeita a energia e CO₂ é muito maior: 18.000 kWh e 6.000 kg de CO₂ são economizados na produção de 2.000 t de asfalto — todos os dias.

As usinas de asfalto Benninghoven também podem produzir asfaltos de baixa temperatura com alta qualidade e confiabilidade do processo. Uma tecnologia importante para essa finalidade é o uso de um módulo de betume-espuma, que a Benninghoven também oferece na forma de solução Retrofit (Plug & Work). O betume-espuma é um elemento bastante interessante, uma vez que esse aglutinante requer apenas água como aditivo para a produção de asfalto de baixa temperatura, que, em todo o caso, está disponível em todas as usinas de asfalto. A mistura de betume quente com água aumenta o volume de forma significativa, um processo que também é conhecido por “espumação” de betume. Devido à energia superficial liberada, o aglutinante humedece muito bem a pedra no processo de mistura, mesmo com temperaturas mais baixas, e produz temporariamente propriedades de pavimentação que são comparáveis às do asfalto quente.

O asfalto de baixa temperatura oferece um elevado potencial de poupança em termos de energia e CO₂: a principal contribuição está na produção, ou seja, em uma usina de asfalto da Benninghoven, que dispõe das tecnologias apropriadas para essa finalidade.

4: eletrificação de depósitos de betume

Para o armazenamento de betume quente, um dos ingredientes mais importantes do asfalto, a Benninghoven oferece depósitos de betume com diferentes capacidades de armazenamento. Eles possuem uma ou mais câmaras e podem ser adicionalmente equipadas com um agitador ou um injetor de mistura.

Devido à eletrificação, a operação é realizada com zero emissões locais (local zero emissions) — contrariamente ao que acontece quando são usados depósitos aquecidos com óleo térmico. Isso assegura um armazenamento de betume neutro em CO₂. Os depósitos aquecidos eletricamente também não são regulamentados pelas autoridades ambientais, o que significa que não se aplicam quaisquer taxas ambientais.

Coberturas para o armazenamento a seco de mineral branco e material reciclado permitem economizar grandes quantidades de combustível e, portanto, CO₂ durante os processos de secagem e aquecimento do material.

5: uso de energias renováveis

Mais sustentabilidade na produção de asfalto significa abdicar cada vez mais de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. A Benninghoven já oferece queimadores EVO JET que usam combustíveis do futuro. Esses combustíveis são compostos por matérias-primas renováveis e são neutros em termos de CO₂. Eles incluem biomassa liquefeita (BtL — Biomass to liquid) e pó de madeira. Mesmo na combustão de pó de madeira, que é um processo técnico altamente exigente, o resultado é uma chama contínua — o pré-requisito para uma operação confiável da usina. Com suas soluções inovadoras, a Benninghoven estabelece novos padrões em tecnologia de queimadores.

A tecnologia da Benninghoven também pode ser usada para alguns modernos combustíveis fósseis e gasosos, como o gás liquefeito ou o gás natural. A simples conversão de carvão pulverizado para gás natural ou gás liquefeito reduz as emissões de CO₂ em metade.

Além disso, os engenheiros de desenvolvimento da Benninghoven ainda estão trabalhando de forma consistente para permitir o uso sustentável e econômico de uma quantidade ainda maior de fontes de energia. O uso de hidrogênio, por exemplo, poderia ser uma opção para enfrentar os crescentes desafios do futuro.

Usar combustíveis renováveis do futuro no presente: os queimadores EVO JET da Benninghoven também permitem a combustão de biomassa liquefeita (BtL) ou pó de madeira.

Imprensa, mídia

Baixe o texto de imprensa como arquivo WORD e os dados de imagem em 300 dpi, nos idiomas disponíveis, como arquivo ZIP.

Download
WIRTGEN GROUP

Public Relations
Reinhard-Wirtgen-Straße 2
53578 Windhagen
Alemanha